Como funciona o mercado de gás natural

Especiais
ATUALIZADO EM agosto 2020

O gás natural está presente no nosso dia-a-dia. É usado nas residências como fonte de calor, na geração de energia elétrica, como combustível para o transporte, onde é chamado de GNV (Gás Natural Veicular), e como insumo para várias indústrias, como aço, metais, embalagens, plásticos, produtos hospitalares e eletrônicos.

Atualmente, o gás natural é mais utilizado no Brasil para geração de energia elétrica, por meio das usinas termelétricas, e nas indústrias, como fonte de energia ou  matéria-prima. A seguir, o Além da Superfície detalha como funciona o mercado de gás natural atualmente.

A aprovação do PL 6.407/13, em tramitação no Congresso, estabelece as bases para criação de um novo mercado de gás natural no Brasil, trazendo segurança aos consumidores para escolher seu fornecedor e ampliar o consumo do energético.

Entre outras importantes mudanças, o PL 6.407 simplifica o modelo para construção de novos gasodutos, garante o acesso não discriminatório às infraestruturas essenciais (dutos de escoamento, unidades de processamento e de regaseificação) e determina a independência entre as atividades de comercialização e transporte de gás natural, a chamada desverticalização. Entenda como funciona o atual modelo e, neste link, veja o que vai mudar.

Produção: cerca de 80% da produção é offshore (alto-mar) e ocorre em campos de gás associado.

Escoamento: são os dutos que ligam as instalações de produção  até as unidades de processamento. O Brasil tem atualmente três rotas principais interligando as plataformas em mar ao processamento em terra, sendo duas destas já em operação.

Tratamento: é feito nas UPGNs (Unidade de Processamento de Gás Natural), instalação industrial que realiza o tratamento do gás natural bruto, tornando-o próprio para o consumo. Na UPGN o gás natural passa por um processo de separação de impurezas e de ajuste em suas propriedades e composição, quando são também produzidos outros hidrocarbonetos como GLP.

Transporte: é a malha de gasodutos que leva o gás natural das UPGNs até a rede das distribuidoras locais, que tem início nos citygates. Hoje, o país conta com cinco transportadoras (TAG, NTS, TBG, GOM, TSB).

Distribuição:  ao contrário das demais atividades do setor, que estão sob a esfera federal, a distribuição é regulada pelos Estados. Hoje o Brasil conta com 27 distribuidoras levando o gás natural para o consumidor final.

Importação: além da produção nacional, o abastecimento do mercado brasileiro é feito também por gás natural vindo de outros países. O Brasil importa gás natural da Bolívia por meio do Gasbol (Gasoduto Brasil-Bolívia) e compra GNL de outros países. Hoje o Brasil conta com quatro terminais de regaseificação (CE, BA, RJ e SE).

Mercado consumidor: indústrias (50%) e termelétricas (37%) são os principais consumidores, seguidos pelo setor automotivo (8%), cogeração (4%), consumo residencial (2%) e comercial (1%).

> O que você precisa saber sobre a nova lei do gás natural
> Entenda o que muda com a nova lei do gás natural
> Por que é importante aprovar a nova lei do gás natural
> Saiba como o gás natural é produzido e os tipos de reservas

Conteúdos mais acessados